20 de abril de 2024 04:09

freitasnews16

Símbolo da alta-costura, estilista destaca feminilidade com referência cinquentista

A sobriedade destacada por toda a técnica irrepreensível se tornou um símbolo da alta-costura praticada pela renomada estilista italiana Maria Grazia Chiuri (59). Simples, mas jamais com o predicado de simplória, a coleção foca em uma estética mais voltada para a feminilidade com uma referência cinquentista – marcada pelos vestidos de comprimento médio, cortes mais acinturados e com saias de uma modelagem levemente aberta, quase conservadora, mas pontuada por nuances de força encontrada especialmente na paleta mais adulta, nos toques discretos de utilitarismo e na clássica alfaiataria contemporânea que traz o toque de sofisticação atualizada e muito potente ao universo delicado e discreto montado pela estilista.

Jaquetas acinturadas e estruturadas que fazem alusão à famosa Bar Jacket, um dos primeiros modelos desenhados pelo consagrado estilista francês Christian Dior (1905-1957) e que revolucionou a estética pós-Segunda Guerra, vêm com a região do busto marcada, o que denota a intenção de adicionar sensualidade à coleção, percebida também pelas blusas e vestidos transparentes e pelos decotes acentuados. A densidade necessária para o romantismo predominante da coleção é encontrada nos materiais com aspectos mais robustos, nos tons profundos, na rica texturização delicadamente ondular de plissados e nervuras e nos bordados tão precisos como arrebatadores aplicados em vestidos imponentes, saias de shape aberto e blusas de manga longa.

O feminismo é algo que ninguém deve esquecer, é um momento inclusivo, no qual a vontade é de se tornar verdadeiramente participativa. E nisso nós, mulheres, juntas, devemos desenvolver nosso próprio ponto de vista seguindo os modelos que aceitamos e que são os mais corretos”, já disse a estilista, sobre a força feminina.

caras

Compartilhe: